Arquivo da tag: cybersegurança

Convite para lançamentos do livro “Crimes Cibernéticos: ameaças e procedimentos de investigação” em São Paulo, Porto Alegre, Iturama, Rio de Janeiro e Jales

São Paulo-SP

Porto Alegre-RS

Iturama-SP

Jales-SP

Palestra: “Crimes Cibernéticos, Fraudes Eletrônicas e outras Fraudes”
Lançamento do livro: “Crimes Cibernéticos – Ameaças e Procedimentos de Investigação” escrito por Higor Vinicius Nogueira Jorge e Emerson Wendt
Data e horário: 30 de agosto de 2012 – 20:00
Local: Anfiteatro da Associação Comercial e Industrial de Jales (ACIJ)
Endereço: Avenida Francisco Jalles, 3097 – Centro – Jales-SP – CEP 15700-110
Inscrições gratuitas no telefone: 17 3622-1540
Evento organizado pela: ACIJ, SINCOMÉRCIO e Polícia Civil de Jales


Rio de Janeiro-RJ


São Paulo-SP

Convite para o lançamento do livro “Crimes Cibernéticos: ameaças e procedimentos de investigação” escrito por Higor Vinicius Nogueira Jorge e Emerson Wendt no IV Congresso Crimes Eletrônicos e Formas de Proteção da Fecomercio nos dias 23 e 24 de agosto.

Clique na imagem abaixo para adquirir o livro:

Delegados lançam livro sobre investigação de crimes cibernéticos

Lançado em agosto, o livro “Crimes Cibernéticos – Ameaças e Procedimentos de Investigação” elaborado pelos delegados de polícia Emerson Wendt e Higor Vinicius Nogueira Jorge, que encontra-se disponível no site da editora Brasport (http://http://www.brasport.com.br/index.php?dispatch=promotions.set&code=cibercrimes246&produto=694).

A obra, segundo a avaliação dos autores, é considerada uma das primeiras do Brasil que apresentam o passo a passo para a investigação dos crimes eletrônicos e tem sido aguardado com muito entusiasmo entre os profissionais da área. É de um linguajar bastante simples, visando o entendimento de quem não tem muito conhecimento na área.
Diversos foram os motivos que levaram os autores a escrever o livro, mas os principais foram contribuir para a segurança virtual no Brasil e preparar policiais e outros integrantes da persecução penal para o combate aos crimes cometidos no âmbito da internet, ou seja, os crimes cibernéticos.
Percebeu-se, num momento inicial, que havia a necessidade de se estabelecer, frente às deficiências e vulnerabilidades dos órgãos policiais diante do crescimento do registro dos crimes cometidos em ambientes virtuais e/ou eletrônicos, uma metodologia auxiliar na investigação criminal, qualificando-a.
Assim, o conteúdo foi sendo gerado após inúmeras pesquisas e trocas de conhecimentos, não só entre os autores, mas também com inúmeros interlocutores. Procurou-se, contudo, a ideia da simplicidade frente à complexidade do problema, visando facilitar o trabalho de investigação criminal dos órgãos policiais de todo o Brasil e também auxiliar os profissionais da área, principalmente advogados e integrantes de outras carreiras, a melhor compreender a matéria e atender aos seus clientes, já preparando o conteúdo para eventual ação penal e/ou cível correspondente.
Sobre os autores:

Emerson Wendt
é Delegado de Polícia da Polícia Civil do Rio Grande do Sul; professor de Inteligência Policial nas Academias de Polícia Civis do Rio Grande do Sul, Pernambuco e Sergipe e na Secretaria Nacional de Segurança Pública; professor de Investigação Criminal e Investigação de Crimes pela Internet na Academia de Polícia Civil gaúcha; professor em cursos de pós-graduação na Unisc (Santa Cruz do Sul), IDC (Porto Alegre), Unisinos (São Leopoldo) e Senac (Passo Fundo). Formado em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria e pós-graduado em Direito pela Universidade Regional Integrada – Campus Frederico Westphalen.

Higor Vinicius Nogueira Jorge
é Delegado de Polícia da Polícia Civil de São Paulo; professor dos cursos de formação e aperfeiçoamento da Academia de Polícia do Estado de São Paulo e de Sergipe; professor da pós-graduação em Polícia Judiciária e Sistema de Justiça Criminal da Academia de Polícia do Estado de São Paulo; professor da pós-graduação em Investigação de Fraudes e Forense Computacional: Direito Digital (IFFC) da Faculdade Impacta de Tecnologia; professor da pós-graduação em Perícia Forense Computacional da Faculdade de Tecnologia São Mateus; palestrante do curso de inteligência estratégica da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra – representação de Campinas; titular da cadeira 30 da Academia de Ciências, Artes e Letras dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo; membro consultor da Comissão de Direito Eletrônico e Crimes de Alta Tecnologia e da Comissão de Ciência e Tecnologia da OAB-SP. Graduado em Direito pelo Centro Universitário Toledo Araçatuba e pós-graduado em Polícia Comunitária pela Universidade do Sul de Santa Catarina.

Clique na imagem abaixo para adquirir o livro:

Delegado especialista alerta para indenização alta nos crimes de racismo

O delegado Higor Vinicius Nogueira Jorge, especialista em assuntos relacionados com internet e crimes cibernéticos, foi ouvido pela reportagem do JJ Regional, a respeito do conteúdo publicado na rede social por M.C.S., contra Michele de Oliveira. Ele lamentou que, em pleno o século XXI, ainda existam pessoas que consideram sua cor, raça ou etnia superior a de outros indivíduos.

“A legislação brasileira não aceita manifestações racistas, muito pelo contrário. Na verdade, aquele que pratica, induz ou incita o racismo é punido com pena de reclusão de um a três anos e multa”, revelou. “A vítima desse tipo de crime tem, no âmbito civil, direito a indenização em razão dos danos morais sofridos. A j Continue lendo Delegado especialista alerta para indenização alta nos crimes de racismo

Especialista alerta sobre a propaganda e condutas vedadas aos candidatos na internet

A rede mundial de computadores tem exercido uma intensa influência na vida das pessoas e com a aproximação das eleições de 2012 pode-se observar essa dinâmica com extrema facilidade.
A rede mundial de computadores tem exercido uma intensa influência na vida das pessoas e com a aproximação das eleições de 2012 pode-se observar essa dinâmica com extrema facilidade. Basta vislumbrar que a internet permite que os candidatos divulguem suas propostas e os eleitores possam saber mais sobre o histórico pessoal e profissional e os projetos daqueles que estiverem pleiteando seus votos. Para discutir a questão a reportagem conversou com o delegado Higor Vinicius Nogueira Jorge especialista na investigação de crimes cibernéticos e em assuntos relacionados com a internet.

J.J. – Existe alguma Lei que trate especificamente da utilização da internet pelo candidato?
Delegado Higor – Sim. Existe a Lei 9.504/97, conhecida como Lei das Eleições. Essa Lei regulamenta o sufrágio e, em alguns pontos, trata especificamente da utilização da internet. Além disso, o Tri Continue lendo Especialista alerta sobre a propaganda e condutas vedadas aos candidatos na internet

Fim da privacidade na internet contraria Carta brasileira – Conjur

Por
Higor Vinicius Nogueira Jorge é delegado de Polícia e professor da Academia de Polícia de São Paulo.
Emerson Wendt é delegado de Polícia e professor da Academia de Polícia do Rio Grande do Sul.

Recentemente foi aprovado, nos Estados Unidos, o projeto de lei conhecido como Cispa (Cyber Intelligence Sharing and Protect Act ou, em tradução livre, Ato de Proteção e Compartilhamento de Inteligência Cibernética), com o objetivo de compartilhar conhecimento sobre usuários da internet entre os órgãos que promovem a segurança cibernética.

Essa lei causou celeuma entre os usuários da web por permitir que governo e empresas coletem informações particulares dos seus usuários e, no caso destas, enviem para o governo americano e suas agências de segurança, além de também poderem trocar esses mesmos dados entre si.

A grande preocupação, que gerou até ciberataques na web, é que a privacidade dos usuários de computadores seja violada por ocorrer a distribuição indiscriminada das informações dos usuários de computadores sem que haja sequer uma determinação judicial e, inclusive, ferindo outras leis que tratem do tema.

Assim, se o governo americano identificasse uma pessoa como suspeita, poderia requerer as informações para órgãos privados. Por exemplo, no caso de um usuário de internet, de qualquer país do mundo, postar ameaças contra a segurança nacional dos Estados Unidos em uma rede social (Facebook, Orkut, Twitter etc), este estaria legitimado a monitorar e solicitar os dados aos provedores de conteúdo mencionados. Além disso, estas empresas também poderiam, voluntariamente, informar comportamentos suspeitos.

Leia todo o artigo publicado no site do Conjur, clicando aqui.