COMAD desenvolve ação visando proibir festas “open bar”

MOÇÃO DE APOIO AO PROJETO DE LEI QUE VISA A PROIBIÇÃO DA REALIZAÇÃO DE EVENTOS NA MODALIDADE OPEN BAR

O Conselho Municipal Antidrogas (COMAD), formado por diversos segmentos da sociedade, descritos abaixo, vem por intermédio deste, justificar o seu apoio ao referido Projeto.

O COMAD deixa claro que é favorável ao desenvolvimento turístico da Estância Turística de Santa Fé do Sul, mas que a realização de festas e outros eventos do gênero devem ser organizados de forma responsável e comprometida com o bem estar da comunidade.
O COMAD apóia e tem direcionado esforços em favor do projeto citado, pelo fato do mesmo lutar contra o estímulo ao uso desmedido de bebida alcoólica nestes eventos.
De acordo com a Polícia Civil de Santa Fé do Sul, este ano ocorreram dois homicídios em nosso município, os responsáveis e as vítimas estavam embriagados. Também quase todas as agressões cometidas contra esposas e filhos foram praticadas por pessoas sob efeito de álcool.
Todos nos recordamos das quatro adolescentes que foram atendidas no Pronto Socorro do município, no carnaval deste ano, em coma alcoólico, depois de participarem de uma festa open bar, em um clube da cidade.
Para se ter uma idéia do potencial lesivo do álcool na vida das pessoas, conforme informações do Instituto Médico Legal da cidade de São Paulo apresentaram álcool na corrente sanguínea, em níveis mais elevados do que o permitido por Lei:
– 52% das vítimas de homicídio;
– 64% daqueles que morreram afogados;
– 51% dos que faleceram em acidente de trânsito.
Entendemos que a decisão de beber não é apenas uma escolha individual. O marketing publicitário investe milhões e milhões de reais em propagandas que estimulam o consumo de bebidas alcoólicas, porém o mesmo marketing se vê obrigado por Lei a sugerir que se beba com moderação. O open bar faz processo exatamente contrario, pois faz apologia ao acesso livre, sem moderação, a qualquer tipo de bebida alcoólica. Este fato se reconhece quando ao adquirir o convite de uma festa open bar, você recebe uma caneca para consumir bebida alcoólica.
Nas horas posteriores a realização das festas open bar a população passa a correr um grande risco, pois levando em consideração que no mínimo 70% dos participantes são motoristas e que os mesmo são condutores de seus veículos, concluímos que haverá uma grande presença de motoristas embriagados transitando pelas ruas da cidade. Esta constatação temos observado constantemente, assim como temos visto diversos acidentes de trânsito, alguns com vítimas fatais, cujos motoristas se encontravam sob efeito de bebida alcoólica.
Outro dado importante é o que chamamos de miopia alcoólica: nestes casos após o uso desmedidos de álcool o individuo não tem controle sob suas ações. A maioria dos casos de contaminação por Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), acontece em momentos de embriaguez em razão da não utilização de preservativos.
O COMAD sugere aos Senhores Vereadores que conheçam os quarenta internos que temos nas duas casas de recuperação de dependentes do município, bem como seus familiares e os grupos de auto-ajuda e que nunca se esqueçam que o álcool é a porta de entrada para outras drogas, como o crack, a maconha, o cigarro, a cocaína, dentre outras.
O COMAD entende que este Projeto de Lei visa evitar o surgimento de novos dependentes em drogas e a destruição de inúmeras famílias por conta do álcool. Esta ação faz parte do projeto Santa Fé Livre do Vício, desenvolvido pelo COMAD e pretende contar com o apoio dos vereadores que sejam realmente comprometidos com a população de Santa Fé do Sul.
O COMAD espera que esta Casa de Leis tenha sensibilidade e bom senso para escutar o clamor das pessoas que são vítimas do álcool e que saiba reconhecer que a dignidade da pessoa humana figura em um patamar acima dos interesses pessoais e financeiros que possam tentar influenciar a decisão dos seus vereadores.

Santa Fé do Sul, 20 de agosto de 2010.

MEMBROS DO COMAD

Higor Vinicius Nogueira Jorge Presidente do COMAD – Delegado de Polícia

Elena Rosa Teixeira Vidoti Vice Presidente do COMAD – Secretaria dos Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência e Cidadania

Padre Márcio Roberto dos Santos
COMAD – Igreja Católica

José Eduardo Martins COMAD – Delegado de Polícia

Sueli Moreira Marques Ferreira COMAD – Assistente Social da Secretaria da Saúde

Camila dos Reis Feitosa COMAD – Assistente Social do COMAD

Carlos Roberto Poltronieri COMAD – Guarda Municipal

Vilma M. Scatolin Rossafa Garcia COMAD – Secretaria da Ação Social

Hélio Molina Jorge COMAD – Delegado de Polícia

Adacyr Ferreira COMAD – Coordenador do CRA

Plínio Sanches Silva COMAD – Dentista

Jomar Antonio Álvares Ferreira COMAD – Empresário

Ana Pereira Gino COMAD – Membro do Conselho Tutelar

Flávia Rolim Marques COMAD – Psicóloga do CAPES

Irene Faustino de Faria Junqueira COMAD – Assistente Social do Ambulatório de Especialidades

José Luis Chiosini COMAD – Comandante da Polícia Militar

Oswaldo Avelino de Souza COMAD – Presidente da Associação Antialcoólica

Francisco Marin Cruz Netto COMAD – OAB

Maristella Araújo Macedo Santos COMAD – Assistente Social da AMIPE

Gervásio Favaro COMAD – Delegado de Polícia

Geraldo Dimas de Souza COMAD – Pastor da Igreja Peniel

João Roberto Arcalá COMAD – Secretário do Turismo e Cultura

Claudinei César Frigo COMAD – Presidente de Bairro

Visitem o blog do COMAD: http://comadsantafe.blogspot.com/

3 comentários sobre “COMAD desenvolve ação visando proibir festas “open bar”

  1. Dr. Higor e demais apoiadores do Projeto visando proibir festas open bar.
    Se aprovarmos o projeto em nossa cidade não haveria uma corrida dos nossos jovens para outras localidades,onde o open bar não esteja proibido? Não estaríamos ao invés de evitar mortes agindo de forma que nossos jovens passagem mais temponas estradas e correndo mais risco de acidentes?
    O que seria considerado “open bar” . Vender a cerveja a R$ 0,10 pode?
    Fazer festas em ranchos “partilhando” os gastos poderia?
    Dias atrás preocupado com o problema de segura elaborei um projeto para que motociclistas não adentrassem estabelecimentos com capacetes. Foi dito com todas as letras que a policia não teria condições de fiscalizar. A policia teria condições de fiscalizar “open bar”?
    Nossos jovens estão bebendo por causa do “open-bar” ou por falta da família em suas vidas? Ou talvez pof alta de fiscalização (seja de quem for) quanto a venda de bebidas a menores. Puna-se os adultos que sirvam bebidas a menores (seja em open-bar ou com veda explicita – nós sabemos que existem)
    Se tivessemos de âmbito nacional a respeito talvez não correríamos mais risco aprovndo uma lei em nossa cidade fazendo com que nossos jovens venham a viajar para outras localidades e na vinda (infelizmente bebados – não generalizando) correndo maior risco.
    Preciso ser convencido quanto a utilidade desta lei apenas no âmbito do municipio.

  2. Elio Miler disse:
    ==============> apenas para corrigir o texto.
    Dr. Higor e demais apoiadores do Projeto visando proibir festas open bar.
    Se aprovarmos o projeto em nossa cidade não haveria uma corrida dos nossos jovens para outras localidades,onde o open bar não esteja proibido? Não estaríamos ao invés de evitar mortes agindo de forma que nossos jovens passassem mais tempo nas estradas e correndo mais risco de acidentes?
    O que seria considerado “open bar”. Vender a cerveja a R$ 0,10 pode?
    Fazer festas em ranchos “partilhando” os gastos poderia?
    Dias atrás preocupado com o problema de segura elaborei um projeto para que motociclistas não adentrassem estabelecimentos com capacetes. Foi dito com todas as letras que a policia não teria condições de fiscalizar. A policia teria condições de fiscalizar “open bar”?
    Nossos jovens estão bebendo por causa do “open-bar” ou por falta da família em suas vidas? Ou talvez por alta de fiscalização (seja de quem for) quanto a venda de bebidas a menores. Puna-se os adultos que sirvam bebidas a menores (seja em open-bar ou com veda explicita – nós sabemos que existem)
    Se tivéssemos uma lei de âmbito nacional a respeito talvez não correríamos mais risco aprovando uma lei em nossa cidade fazendo com que nossos jovens venham a viajar para outras localidades e na vinda (infelizmente bêbados – não generalizando) correndo maior risco.
    Preciso ser convencido quanto a utilidade desta lei apenas no âmbito do município.

  3. Caríssimo Dr. Higor

    Tomo a liberdade de tecer alguns comentários a respeito do polêmico tema. Achei interessante e pertinente as ponderações feitas pelo vereador Elio Miler, pois a coibição, pura e simplesmente, das festas open bar em nossa querida Santa Fé, na minha deslustrada opinião, não seria a solução “mais” adequada a combater índices de violência e alcoolismo entre os jovens, apesar das estatísticas colhidas por V.Sa.

    Acompanho de perto seu excelente trabalho em prol da comunidade e lhe parabenizo pela preocupação com que tem com nossos jovens, por isso acho que o trabalho mais adequado para o caso já está implantado em nossa cidade, em que V.Sa. preside com tanto brilhantismo, que é o COMAD.

    Acredito que a prevenção, através de palestras e outros meios – que é o que já está sendo muito bem feito pelo COMAD – seja o caminho certo e não coibir esse tipo de entretenimento numa cidade turística e também considerada universitária.

    Um tema a ser bastante discutido.

    Receba um fraternal abraço.

    Douglas Ricardo Fazzio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *