Maconha (A ilusão das drogas)

MACONHA
A maconha é uma substância conhecida há pela menos 5.000 anos e foi nomeada em 1735 pelo botânico Carl Lineu como Cannabis sativa.
Os usuários da maconha utilizam diversos apelidos para denominar a droga, os apelidos mais conhecidos são: erva, pacau, baseado, charão, fininho, finório, hemp, beck, abangue, bagulho, birra, diamba, fuminho, fumo, gererê, marijuana, haxixe, skank, marola, camarão, taba, beck, bagana, bagulho, cachimbo da paz, capim seco, mato, paranga, etc.
A maconha é considerada a droga ilícita (proibida, ilegal) mais utilizada em todo o mundo. A planta excreta grande quantidade de uma resina composta por diversas substâncias e uma delas é o THC (delta-9-tetrahidrocanabinol) que proporciona boa parte dos sintomas nos seus usuários .
De acordo com estudos científicos a maconha vicia e o seu uso provoca a tolerância (cada vez o usuário quer mais droga) e a síndrome de abstinência (conjunto de sintomas que acometem o dependente que suspenda bruscamente o uso de drogas).
O consumo da maconha não leva a outras drogas, porém quando o usuário passa a utilizar outras drogas na maioria das vezes ele fez uso da maconha.
Observa-se que o consumo da droga ocorre muitas vezes em grupos ou rodas de amigos em que cada um dos participantes fuma um pouco. Aqueles “canabistas” mais experientes influenciam amigos a experimentar. O consumo da maconha é estimulado também por músicas, símbolos e certos objetos que façam alusão ao seu consumo, como bonés, camisetas e pulseiras.
A fumaça do baseado de maconha é absorvida rapidamente pelos pulmões do usuário e logo depois os seus olhos ficam avermelhados, a boca seca e o coração disparado. O usuário fica excitado e fisicamente agitado. Se a quantidade de THC for pequena ele passa a rir sem motivos, se for maior ele fica “chapado”, com os olhos parados, perde a vivacidade e passa a falar devagar.
Outra característica do usuário de maconha é que aumenta o apetite e passa a ter vontade de ingerir, principalmente doces. Os consumidores de maconha chamam isso de larica.
A pessoa ao usar maconha fica sob seus efeitos de duas a quatro horas.
O usuário passa a tentar disfarçar o vício fazendo uso de colírios, balas e chicletes fortes, perfumes nos cabelos e mãos, amassam ervas com cheiros fortes com os dedos para disfarçar o cheiro de maconha nas mãos, tapam as soleiras das portas para não sair a fumaça se estiver fumando no interior de seu quarto, ligam o chuveiro para produzir vapor e eliminar a fumaça, acendem incensos e pulverizam perfumes fortes para disfarçar o cheiro.
O principal efeito decorrente do uso crônico da maconha é que deixa a pessoa sem vida, sem ambições, conformado com tudo e muito agressivo quando contrariado. Constantemente observamos filhos que agridem os pais em razão dos genitores não concordarem com o vício ou não entregarem dinheiro para sustentar o vício.
O usuário de maconha perde parte da motivação para viver, podem surgir quadros de ansiedade, depressão, pânico e quadro psicótico, semelhantes a esquizofrenia paranóide.
Há provas científicas que caso o usuário da maconha tiver uma doença psíquica qualquer, mas que ainda não está evidente ou a doença apareceu, mas está controlada com medicamentos adequados, a maconha piora o quadro. Assim, a droga faz surgir a doença ou neutraliza o efeito do medicamento e os sintomas da enfermidade mental reaparecem .
Também há dificuldades para lidar com frustrações e sua capacidade de diálogo, atenção, concentração, produção e relacionamento pioram muito.
A maconha diminui as defesas contra infecções, afeta testículos e ovários aumentando a chance de ocorrer infertilidade e altera o funcionamento do cérebro.
Pode ocorrer também o “flashback”, ou seja, os sintomas ressurgem como se o usuário tivesse usado maconha outra vez, sem tê-la usado.
De acordo com estimativas, fumar quatro cigarros de maconha por dia tem o mesmo poder cancerígeno do que fumar vinte cigarros comuns por dia.
De acordo com pesquisa realizada em dez capitais do país, entre estudantes da rede estadual de ensino, o uso de maconha tem aumentado. Em 1987, 2,8% dos estudantes de quinta série ao ensino médio relatavam que já haviam usado maconha, em 1989 a porcentagem aumentou para 3,4%, em 1993 para 4,5% e em 1997, foi para 7,6%. Nos Estados Unidos o problema da maconha é mais grave ainda, pois mais de um terço da população (34,2%) já usou maconha .
Pelo exposto concluímos que a família, entidades religiosas, imprensa, clubes de serviço, associações, conselhos municipais, organizações governamentais e não governamentais, enfim, a sociedade como um todo deve disseminar uma mensagem de preocupação com a maconha e com outras drogas lícitas e ilícitas, pois seus efeitos são extremamente nocivos para quem usa essa droga nefasta e também para todos que convivem com essas pessoas.

BIBLIOGRAFIA:
Livreto Informativo sobre Drogas. Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas – CEBRID e Secretaria Nacional Antidrogas – SENAD, 2004.
MARLATT, Beatriz Carlini. Drogas: Cartilha sobre maconha, cocaína e inalantes. Série Por dentro do assunto. Secretaria Nacional Antidrogas – SENAD, Brasília-DF, 2004.
PERCÍLIA, Eliene. Maconha. Brasil Escola. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/drogas/maconha.htm>. Acesso em: 07 set. 2009.
TIBA, Içami. Juventude & drogas: anjos caídos. São Paulo: Integrare, 2007.

Higor Vinicius Nogueira Jorge é delegado de polícia, presidente do Conselho Municipal Antidrogas de Santa Fé do Sul, professor de análise de inteligência policial da Academia de Polícia e especialista na investigação de crimes cibernéticos. Tem feito palestras sobre segurança da informação, crimes cibernéticos, TI e drogas. Site: www.higorjorge.com.br. Twitter: www.twitter.com/higorjorge.

Informações bibliográficas:
JORGE, Higor Vinicius Nogueira. Maconha. Higor Jorge, Santa Fé do Sul, [data]. Disponível em: . Acesso em: [data].

2 comentários sobre “Maconha (A ilusão das drogas)

  1. Está na hora de uma mobilização em todo o pais para dizer um basta a esta ideia da liberação da maconha. Um país de 3º mundo imaginem como seria.

  2. Não há exagero nenhum na matéria acima. Quem acha que não faz mal nenhum a maconha para a sua saúde e seu desempenho nos estudos ou trabalho é porque já está com seus sentidos de percepção comprometidos.É obvio que prejudica muito em todos os sentidos, principalmente tornam-se muito teimosos e não aceitam opinião diferente das suas. Sou mãe de um adolescente que fazia uso dessa erva e sofri muito com isso e ainda sofro com o medo que ele volte a usar um dia. Ele se transformou em um animal quando estava usando e na abstinencia também. Só deixou de usar depois de muito esforço da família para que fizesse tratamento psiquiatrico e psicológico. Vocês que são a favor da maconha, que dizem que ela não faz mal, é porque já são dependentes químicos e querem justificar seus vícios, porque hoje em dia a maconha já não é como antigamente que era apenas uma erva, pois ela sofreu muitas alterações para que crescesse mais rápido para dar maior lucro aos traficantes. Também foi modificada para que se adaptasse a se desenvolver em ambientes sem luz do sol, para cultivar em locais escondidos da polícia, e muitas outras coisas. Além dessas modificações, quando a maconha sai dos campos da Bolívia, ou Paraguai, ou até do Brasil, ela é misturada com substâncias químicas altamente tóxicas. Bom, é essa a verdade. Quem for me criticar pela sinceridade, já aviso com antecendência que não estou nem aí, e esses que criticam é porque estão lucrando com essa plantinha, já que todos sabem que é o comércio mais lucrativo da atualidade. Ou, então, é porque realmente está com os neurônios bem prejudicados pela maldita erva. Fica minha opinião de mãe: aos que fazem uso, tentem parar por uns tempos e se perceber que não consegue, aí busque ajuda, não tenha vergonha. Afinal, ser usuário não é crime. Boa sorte a todos.

Os comentários estão encerrados.